domingo, 20 de fevereiro de 2011

Seu corpo, seu templo...não sua perdição!

A revista mensal do SESC (Revista E) - Fev. 2011 * nº 8 * Ano 17, trouxe uma entrevista muito interessante com o filósofo brasileiro, Carlos José Martins, doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. O assunto foi, Você e o seu corpo, o que me fez pensar, qual é a função do nosso corpo?
Da página 10 à 14, consegui entender muitos pontos (apesar de se tratar de um filósofo) que muitas vezes não conseguimos perceber.
O nosso cotidiano tem cada vez mais nos afastado do bem estar natural, da tranquilidade física e mental, tendo nós [pobres...eu disse 'pobres´mortais] recorrer às soluções imediatas e ineficazes, como Carlos José cita em meio a sua entrevista:

" E é na modernidade contemporaneamente ao surgimento do capitalismo, que se dá o desenvolvimento de tecnologias para otimizar o funcionamento do corpo"
O que você consegue entender??

A verdade é uma e antiga, segundo C. José, os filósofos Michel Foucault (1926-1984) e Norbert Elias (1897-1990) já remediavam sobre as problemáticas do "Culto ao corpo" [ou podemos dizer: preocupações excessivas de aceitação dentro de uma sociedade ' julgadora'], que desencadearam patologias tais como anorexia e vigorexia (quando um indivíduo se dedica compulsivamente a cuidados corporais, excesso de exercícios físicos e alimentares, e nunca está satisfeito).

Martins explicou que as mudanças habituais surgiram no século 17, quando uma população que antes vivia dispersa no campo, passou a ter outro modo de vida, um tanto mais urbano e entrou progressivamente num novo modo de produção.

O que me faz lembrar de um filme de Charlie Chaplin, Moderm Times:


{Para quem nunca assistiu, vale muito á pena, no youtube você poderá encontrar o filme na íntegra, Charlie Chaplin o produziu na década de 30, quando a ocorreu o apogeu da Revolução Industrial; e de forma humorística, ele mostra a força do capitalismo dentro da rotina, ou melhor, dentro da vida das pessoas, mais especial na vida dos operários}

...continuando...

Eis outra observação interessante de Foucault:

"...você precisa docilizar esses corpos. No processo de docilização, através de instituições, escolas, saúde e o exército, você aumenta a capacidade produtiva desses corpos e diminui sua capacidade política..."

Isso me faz pensar em outra coisa, quando você pergunta para alguém: Você leu aquele livro que te emprestei?, ou, Você gosta de ler?, ou, Você lê jornais, revistas e noticiários na Internet?. Normalmente é uma resposta negativa acompanhada do famoso: Não tenho tempo!

O aumento da capacidade produtiva da sociedade, acarretou outras preocupações ligadas a área da saúde. Segundo Martins, a aglomeração cada vez maior desses corpos em centros urbanos tornou necessária a tecnologia de higienistas para controlar as endemias e epidemias que se disseminaram.

Ou seja, penso que estamos escravos de todas as tecnologias que nos cercam, e a tendência é que elas cresçam ano a ano, pois conforme a longividade humana tem avançado, meios tecnológicos vieram se desenvolvendo para alcançar a aceleração produtiva. Resumindo, o mundo capitalista precisa de nós, e nós sobrevivemos da tecnologia. [será?]

Corpo social e comercial

Corpo social se diz ao que representa a evolução e progresso de uma população, apesar de tantas críticas ao capitalismo, infelizmente o homem nasce predestinado à colaborar com o mundo que o acolhe, mas, nosso querido filósofo Carlos José Martins, alerta quanto a espetacularização do corpo, o então corpo comercial que está relacionado ao uso das imagens corporais através de uma série de dispositivos tecnológicos e de mídia, em que que o discurso da saúde também aparece como um de seus vetores.

*QUIZ  DO FALA RETICÊNCIAS: QUAL MERCADO SAI GANHANDO COM ESTA ESPETACULARIZAÇÃO FÍSICA??*...TEMPOOOO......QUEM ACERTAR, GANHA 5 HORAS DIÁRIAS, NOS SETE DIAS DA SEMANA, NA MELHOR ACADEMIA DO MUNDO!

RESPOSTA: O MERCADO FARMACÊUTICO

...chega de quiz...

Enfim, a 'sociedade do espetáculo' é o reflexo de uma sociedade insatisfeita com quem é, e de onde vem. Este assunto é muito mais longo do que parece, para entender melhor é preciso um estudo sinuoso quanto às doenças modernas (psicológicas), a questão espiritual, religiosa, étnica (não podemos simplesmente julgar, existem países que cultuam seu corpo, porém, isso procede da ligação cultural e histórica de determinado povo). 

Nosso corpo é o nosso templo, mas a mente é o nosso porto seguro, cuide de seu corpo e desenvolva sua mente!

Mayara Medeiros Cruz

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Investimento em saúde...que coisa besta!

Na manhã desta quinta-feira (10), lendo o jornal Cruzeiro do Sul (Repórter Marcelo Andrade), que fala sobre o projeto de implantar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) em âmbito regional, na matéria, quinze municípios da região de Sorocaba estavam inclusos neste projeto que levaria mais saúde e comodidade aos seus munícipes. Quando eu escrevo "...estavam inclusos..." eu falo no sentido bruto e nu da palavra, pois segundo a reportagem, as cidades de São Roque, Capela do Alto, Salto de Pirapora e Tapiraí devolverão as ambulâncias doadas pelo Ministério da Saúde, no final de 2010.


Cidades como Araçoiaba da Serra, Ibiúna e Mairinque estudarão suas finanças para decidir sobre sua viabilidade. Segundo todos os seus governantes, o custo de manutenção do SAMU, alavanca torno de 30% do orçamento municipal e se torna um custo muito alto, além do mais, cada cidade deve pagar a Sorocaba um valor de R$ 0,23 por habitante.

O secretário de saúde de S. Roque, Alexandre Silveira disse que antes a cidade trabalhava com uma estimativa de R$ 18 mil/ mês na área de saúde e após a incorporação no projeto o orçamento saltaria para quase R$ 31 mil/ mês e R$ 367.000,00/ ano. Alexandre ainda disse que fora a manutenção da ambulância e materiais, ainda tem a questão da contratação de 12 profissionais  (Pois é, Alexandre, é um investimento que realmente não vale á pena, vale muito mais construir uma pracinha, homenageando alguém da sua família).

O amigo Marcelo Soares, prefeito de Capela do Alto, disse o seguinte:
"- É inevitável!"
"- Uma coisa é eu falar ' tô dentro', outra é eu pagar!"

O prefeito de S. de Pirapora, Joel Haddad, alegou que o município teria que arcar com R$ 20 mil enquanto a União arcaria com R$ 15 mil para que o SAMU funcionasse (mas é claro que os P.A' zinhos são ótimos, não tem porquê investir numa coisa dessas minha gente!. O povo só vai para o PA e Hospital para assistir novela e usar o banheiro e quando se trata de ambulância, eles querem ir para Sorocaba sem pagar nada!...não é prefeito?!)

O Jornalista Marcelo Andrade citou na sua matéria que o posicionamento dos municípios vizinhos, pegou de surpresa o secretário da saúde de Sorocaba, Milton Palma. Palma alegou que todos os governantes estavam cientes dos custos para este projeto.

Companheiro Palma, os municípios vizinhos gostam de dizer que Sorocaba é uma cidade grande e tem por onde arcar com tais gastos, mas há controvérsias, Sorocaba tem quase 587 mil habitantes, além de ter grandes responsabilidades administrativas, como é o caso do Hospital Regional (que passa por sérios problemas) e tem despesas sobre todos os seus investimentos.

O que me deixa muito, mas muita 'ferrada' (desculpa mãe) é o fato de uma área que já vem sendo prejudicada e banalizada á anos, ter sua importância tão minimizada por conta de gastos a mais exigidos à suas excelentíssimas prefeituras.

INVIÁVEL para mim, Senhor Marcelo Soares, é um paciente morrer dentro de sua própria casa, por consequência da falta de um bom serviço prestado de primeiros socorros, sem deixar de falar...mais INVIÁVEL ainda é o profissional da área da saúde socorrer seus pacientes em ambulâncias da década de 80, com equipamentos [e] treinamentos aos profissionais completamente ultrapassado.

Eu aposto a minha caneta BIC que você e sua família nunca necessitaram deste tipo de atendimento?!

B. m. liga!

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Uma moda sustentável!!

Você já entrou num brechó?
Não! por que?
Sim! gostou?


Eis a origem dos brechós:

No século XIX um mascate chamado Belchior ficou conhecido por vender roupas e objetos de segunda mão no Rio de Janeiro. Com o tempo o nome se transformou por corruptela em "Brechó" (Wikipedia)
Mas nota-se que sua implantação não se veio em tempos modernos, mas já se é contemplado e tido como um segmento diferenciado; como podemos notar no conto Idéias de Canário de Machado de Assis:


"... sucedeu que um tílburi à disparada, quase me atirou ao chão. Escapei saltando para dentro de uma loja de belchior... A loja era escura, atulhada das cousas velhas, tortas, rotas, enxovalhadas, enferrujadas que de ordinário se acham em tais casas, tudo naquela meia desordem própria do negócio"
Machado de Assis, Ideias de Cenário.

 
Outro dia, assistindo a um programa que mostra curiosidades de diversos países no canal á cabo, Multi Show, a apresentadora mostrava as modas lançadas de dentro do um brechó em Londres. O estabelecimento era instalado num enorme barracão, com roupas realmente vindas de outras modas e de outras épocas.


 
Os londrinos são lançadores de moda, um simples cinto dos anos 70 torna-se uma peça exclusiva nos dias de hoje, quando os estilistas querem tentar alcançar tal sofisticação em peças caras e "aspirantes" de vanguardistas. Sem deixar de mensionar os luxuosos brechós e Garage Sale realizados nos Estados Unidos.


 
Enfim, no Brasil o brechó é um local considerado ser frequentado somente por pessoas de baixa renda ou desempregados, além do mais, muitos destes brechós são vistos como um bazar beneficente.
Mas até quanto vale você comprar uma roupa no brechó ao invés de comprá-la numa loja ou boutique?!

Financeiramente, sabemos que a diferença é realmente exorbitante; quanto à qualidade, este é um fator relativo, pois há aquelas peças em brechós com qualidade não mais encontrada no mercado. Mas, deixando um pouco à "A la carte" a questão financeira e de qualidade, me responda você, CONSUMIDOR... já parou para pensar no benefício que roupas usadas podem causar ao meio ambiente??

Entre londrinos, americanos e brasileiros existem os ambientalistas da moda (eu sou uma destas pessoas). Além de você encontrar muitas peças interessantes entre roupas, bolsas, sapatos; eu já encontrei um lindo bule que paguei R$ 3,00. Livros clássicos da literatura brasileira por R$ 2,00 (isso nos Sebos), discos vinis por R$ 2,00, aparelhos de telefone, tapetes, relógios, cintos e fitas VHS, ou seja, produtos estes que na linha do seu tempo, seriam simplesmente lixos, inutilizáveis, "tranquerada", "bugiganga", "trapos" e tantos outros apelidos carinhosos.


 
No meu ver, trata-se de um mundo curioso e que não deve ser perdido pelo glamour e consumismo exagerado. Não repugno ir até uma loja e comprar uma peça nova, mas aconselho que os brasileiros descartem alguns preconceitos e faça uma visitinha a um Brechó e aos Sebos!

Uma iniciativa SUSTENTÀVEL não faz mal á ninguém!!


Mayara Medeiros





terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Crônicas da Marginal Tiête, em movimento.

Neste domingo, a serviço da TV comunitária na qual eu trabalho, fui à Aparecida-SP, para realizar uma matéria sobre o plenário que acontece todos os anos, no auditório da Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Mas este assunto não falaremos agora, depois o próprio presidente da Associação de Aposentados e Pensionistas de Votorantim - APEVO, Sr. Aristhides Fernandes, nos mandará uma nota explicando qual é a bandeira levantada pelos Ap./ Ps. de todo o Brasil.

No entanto, na volta desta matéria, enquanto passávamos pela Marginal Tiête eu enxerguei o que a cegueira das tarefas não me permitiam, eu compreendi aquilo que eu não queria compreender, ou seja, o cinza é simplesmente uma pincelada para a aquarela das mais diversas cores.

Entre prédios, empresas, artes, rios, carros e pobreza eu pude enxergar a beleza de São Paulo em apenas 10 minutos e em 80km/ h. Depois de anos percorrendo suas ruas, eu somente ignorava sua história. A face do desenvolvimento incontrolável e ao mesmo tempo amável da Grande Capital. Amor bandido!

Foi então que eu retirei minha Sony Handycam DCR-SX43, da bolsa e comecei a fotografar. Minha vontade era percorrer toda a cidade a pé, mas o carro da TV em movimento causou mais emoção e sede de voltar!

Tudo isso me fez criar um objetivo e  que quero compartilhar com todos: Vou escrever com imagens, crônicas de todos os lugares que me chamar a atenção; seja numa rua ou num bairro, seja numa cidade de 9 milhões de habitantes ou apenas 6 mil, não importa, existe crônica até mesmo no vaso de planta que está em cima da sua mesa.

Ninguém vai te falar, você é quem tem que perceber.

Ao infinito e além.



Evolução á todo vapor!


Fios...fios...eletricidade...fios!


C. Branco, de volta para casa.


Prédios que assediam nosso espírito empreendedor.






Olha, que loucura!


Ah, que lindo o sambódromo!


O cheiro é ruim, mas é umas das primeiras lembranças que nos vem à cabeça, quando pensamos na capital.


Véus de noiva. Quem casa, quer casa!


Terra da garoa, sempre tem como se esconder.


Crises!


[...] crises!






Arte...SP tem arte em lugares que você nem imagina!


Vem uma "baita" chuva, para transtornar a normalidade, já anormal, de SP.





Tenham uma boa vida!

Mayara M. Cruz

Continuação...!

Antes de dar continuidade à retrospectiva, gostaria de agradecer ao Cláudio Pereira, que eu não o conheço, mas foi o único que se manifestou quanto ao conteúdo do blog....e o mais interessante, foi que este contato foi pelo Twitter; então, Cláudio, se você realmente nos visitar, desde já gostaria de agradecê-lo.

JULHO, AGOSTO, SETEMBRO, OUTUBRO E NOVEMBRO:

Esses cinco meses resumem-se em um grosseiro combate entre Serra e Dilma...na verdade eu estou com preguiça de falar de política brasileira....se eu começar a falar demais, vão dizer que eu sou "americanizada" ou "europizada", então vou resumir este meio/ final de ano:

- Serra perdeu, Dilma ganhou!!
- Ex - presidente Lula é o mais aclamado e assediado que a própria presidente!
- Quem chamou mais a atenção, além do ex-presidente, foi a jovem mulher do atual vice-presidente...ele é um "setentão" e ela uma "tchutchuca" de 27. Como eu odeio preconceito, eu digo e repito, isso é AMOR!
- Show de fogos em Copacabana, NY e Japão. Promessas de guardar dinheiro e emagrecer (coisas que se repetem todos os anos, mas nunca se concretizam, blá, blá).

Enfim, muito coisa legal muita coisa bacana, mas hoje eu quero falar de arte, cultura e lazer, por este motivo, encerro este post e em 60 segundo, abrirei outro, contando sobre o meu despertar individual para o mundo!

Adeus e até um minuto ;-)